Jejum intermitente é uma dieta utilizada para quem deseja perder peso. Esse método ficou bastante conhecido depois que alguns famosos literalmente “secaram” as gordurinhas, após aderir a esse estilo de alimentação.

Nesse processo, as refeições são intercaladas com períodos de jejum.

O objetivo é fazer com que o corpo utilize os estoques de gordura. Fazendo isso, é esperada uma perda de massa gorda.

Neste post você vai saber o que é jejum intermitente, acompanhar dicas de cardápio e muito mais. Continue a leitura!

O que é o jejum intermitente e como fazer?

O método de emagrecimento do jejum intermitente ganhou popularidade em 2013.

Nesse ano, o médico inglês Michael Mosley lançou o livro "A Dieta dos 2 Dias".

Nele, o autor britânico propunha um método denominado 5 por 2.

Funciona assim: você pode fazer sua alimentação moderada normalmente por 5 dias e fazer um semi-jejum nos outros 2.

No semi-jejum as mulheres podem ingerir até 600 calorias por dia e os homens 500.

Após a publicação surgiram outras vertentes da dieta, cada uma com uma janela alimentar diferente.

Separamos para você os principais protocolos. Acompanhe!

Jejum de 12 horas

Além das 8 horas de sono, nesse protocolo você permanece metade do dia sem se alimentar.

Nele, por exemplo, você se alimenta às 11h e faz outra refeição às 19h.

Sistema Leangains

Esse método propõe que você fique 16 horas em jejum.

Você pode realizar entre duas e três refeições nas oito horas restantes. Aqui, você pode respeitar a sua fome e escolher a sua janela de alimentação.

Protocolo Coma – Pare – Coma

Nessa dieta é possível escolher 1 ou 2 dias da semana para ficar em jejum completo.

Isso significa que, nesses dias, você fará uma refeição e voltará a comer somente no mesmo horário no dia seguinte. Esse protocolo costuma ter uma adaptação mais difícil.

Dicas de cardápio para jejum intermitente

Após passar um longo período sem alimentação, é indicado fazer uma refeição muito equilibrada e sem excessos.

O ideal é priorizar alimentos ricos em fibras, como verduras, legumes e/ou frutas.

Os energéticos também são indicados, como os carboidratos ricos em fibras, além de proteínas magras, considerados construtores da massa muscular.

Alimentos ricos em gorduras essenciais, como as contidas em sementes, peixes e nozes são recomendadas.

Nesse período é importante evitar cereais refinados e alimentos industrializados, como doces em geral.

Como quebrar o jejum intermitente?

Faça refeições ponderando as quantidades. Elas devem ser do tamanho que você faria se não estivesse de jejum.

Uma das desvantagens dessa dieta é a oscilação no seu nível de insulina.

Com um jejum prolongado, esse hormônio, que é responsável por levar a energia dos alimentos às células, estará em baixa.

Por esse motivo, não é aconselhado para nenhuma pessoa ingerir carboidratos simples em excesso.

Também não é indicado comer muito após o período de jejum, mesmo que o seu cardápio seja considerado saudável.

Os melhores alimentos pós-jejum são aqueles com baixo índice glicêmico, como saladas e carnes magras.

Separamos duas opções a seguir. Confira:

Opção 1:

– 2 colheres de sopa de arroz;

– salada de alface;

– tomate e cebola à vontade somente com 1 fio de azeite;

– 2 colheres de sopa de feijão preto;

– 1 filé (60 g) de boi grelhado.

Opção 2:

– 2 colheres de sopa de grão-de-bico;

– alface (crespa) e tomate em rodelas à vontade;

– salada de cenoura e beterraba raladas;

– 1 colher de sopa de purê de batata;

– 1 filé (60 g) de peixe grelhado com molho de ervas finas.

Por que apostar na ingestão de água durante a dieta?

Um dos benefícios do jejum intermitente é a desintoxicação do organismo.

Para esse processo acontecer corretamente, é imprescindível a ingestão de água.

Além disso, a água ajuda a manter o metabolismo acelerado durante a dieta.

Para quem o jejum intermitente não é indicado?

É importante lembrar que toda e qualquer dieta deve ser receitada e acompanhada por um nutricionista. Esse é o profissional habilitado para prescrições alimentares.

Um longo período de restrição pode desencadear a hipoglicemia. Ela se caracteriza pela queda dos níveis de glicose no sangue, podendo acarretar transtornos graves.

Alguns dos efeitos colaterais são:

  • dores de cabeça;
  • tonturas e incapacidade de concentração;
  • fraqueza;
  • queda da pressão arterial;
  • oscilação nos índices de glicose no sangue.

Além disso, o jejum intermitente não é indicado para:

  • grávidas e lactantes;
  • diabéticos;
  • idosos;
  • pessoas em fase de crescimento (crianças e adolescentes);
  • pessoas com distúrbios emocionais graves;
  • indivíduos que fazem uso de medicação contínua;
  • pessoas com transtornos alimentares;
  • indivíduos com baixo índice de massa corporal (IMC).

É válido reforçar que o jejum intermitente só tem efeitos positivos se os alimentos consumidos durante as "janelas de alimentação" tiverem alto valor nutricional.

Procure seu nutricionista para saber mais sobre jejum intermitente e fazer uma dieta ideal para o seu estilo de vida!

Se você gostou deste post sobre jejum intermitente, deixe seu comentário abaixo!